Busca  

A Casa

História

Notícias

Fórum e debates

Imagens

Desenvolvimento Sustentável

Programas

Projetos

Estatutos e Regulamentos

ONG Portal

Banco de Voluntário

Dicas de Sites

Contato

Desenvolvimento Sustentável

    Truticultura


Bruno do Nascimento

Diário de Petrópolis

24/08/03


Com uma carne de excelente sabor e textura, a truta é um peixe que vem ganhando espaço na preferência dos moradores da região serrana. A truta arco-íris é a espécie mais comercializada, sendo cada vez mais encontrada em pousadas, hotéis e delicatessens da região, contudo, apesar da grande oferta no estado é pouco encontrada nos supermercados do Rio de Janeiro.

Segundo José Gouveia Vieira Aguirre, produtor, a truta por ser um peixe característico de água limpa e fria vem se adaptando bem às condições climáticas da região serrana. A temperatura para a produção varia entre 12º e 18º C. Esta faixa de temperatura é a ideal e num período de 10 meses a truta está pronta para abate. Em alguns países da Europa o tempo para abate em virtude do frio intenso pode chegar a dois anos. A truta geralmente é comercializada com um peso entre 250 e 320 g, vindo a ser também encontrada em restaurantes mais requintados com o peso de até 450 g.

Aqueles que quiserem se deliciar com uma boa truta, podem consumir o filé, o filé defumado ou pré-cozido ou simplesmente comprar a truta inteira ao custo de R$ 11,00 o quilo e fazer um prato ao próprio gosto.

Produtor de trutas a mais de vinte anos no Rocio, José Gouveia relata que a pouca vazão de água nos últimos quatro anos vem reduzindo a produção em toda a região. "A Trutas do Rocio já chegou a produzir nos tempos áureos mais de 600 Kg de trutas por mês. Hoje, em função da escassez de águas produz o suficiente para o restaurante do local e para o Box do Horto Mercado de Itaipava".

A primeira vez que a truta chegou ao Brasil, foi no Rio de Janeiro em 1913, com ovos fecundados vindos da Inglaterra, gerando cerca de 150 alevinos. Mas somente a partir da década de 80 é que a truticultura ganhou força como um ramo do agronegócio no Brasil. A truta arco-íris (Oncorhynchos mykiss) foi a espécie introduzida, em virtude da fácil adaptação e resistência em relação aos outros tipos de trutas existentes. A produção no Estado do Rio de Janeiro, segundo dados da ABRAT (Associação Brasileira de Truticultores), está na faixa de 200 toneladas anuais.

Os meses de inverno são os mais propícios para a desova, enquanto que os de verão são os de engorda. Também no período do verão há um aumento do volume de água para a produção. Mas além do pouco volume de água dificultar a produção e expansão das trutas na cidade, existem também os predadores naturais, como as lontras e os pássaros, como o Martim Pescador. Para evitar os ataques dos pássaros, a forma de proteger os peixes é usando telas protetoras por sobre os tanques. Para evitar o ataque das lontras, José Gouveia está estudando uma idéia bastante original. O sonho de José Gouveia é desenvolver a produção da espécie nativa de peixes Pirapitinga da Serra. O Pirapitinga da Serra é uma das espécies que vem sendo criada pelo Projeto Piabanha para repovoamento do Rio Paraíba do Sul e existia aqui na região. Assim de acordo, com José Gouveia a lontra teria um peixe nativo para se alimentar ao invés de procurar alimentos nas truticulturas da região.

A produção de trutas no estado encontra-se principalmente nas regiões Serrana e do Médio Paraíba, tendo o maior volume de produção nos municípios de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. Os locais mais indicados para a implantação de truticultura em Petrópolis estão localizados na Serra dos Órgãos, no Bonfim e Estrada de Teresópolis. Mas também podem ser encontradas truticulturas no Rocio e em outros bairros da cidade. Um aspecto importante da produção de trutas nesses locais é a qualidade das águas. Para se produzir trutas a água tem que ter uma excelente quantidade de oxigênio dissolvido, caso contrário a produção se torna inviável. Assim os locais em que existe a produção de trutas estão automaticamente, ainda, isentos de poluição.

EXPERIMENTE

Trutas Recheadas

Ingredientes

03 trutas pequenas
100g de bacon em fatias finas
100g de cebola
100g de pimentão
01 xícara de azeite (se for fritá-las)

Modo de Preparo

Lavar a truta e secá-la com papel absorvente. Salgar um pouco.
Cortar os pimentão e a cebola em rodelas bem finas. Rechear a truta com o bacon, cebola e o pimentão e fechar a cobertura com palitos.
Fritar com azeite quente ou levar ao forno regado no óleo.


Trutas Grelhadas

Ingredientes
04 trutas pequenas
02 colheres de sopa de manteiga
01 cebola cortada em rodelas finas
02 copos de vinho branco
02 colheres de sopa de cebolinha cortada
04 colheres de creme de leite grosso
Suco de limão
Sal e pimenta do reino

Modo de Preparo

Amanteigue uma assadeira e espalhe no fundo a cebola. Coloque sobre elas as trutas previamente lavadas e enxutas. Acrescente vinho branco, cebolinha, sal, pimenta do reino e suco de limão. Asse em forno quente durante 10 minutos. Numa caçarola coloque o caldo da assadeira e acrescente o creme de leite, ferva por 2 minutos para engrossar. Coloque o molho sobre as trutas e sirva imediatamente.


Outros textos desta seção
A escassez de água é um dos maiores desafios do nosso século
A sociedade civil e a água
A saúde das águas
Acidentes ecológicos
Água com Cidadania
Água é vida
Água em perigo
Água, Uma questão de Vida ou Exclusão Social
Biodigestores são implantados no Bomfim
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piabanha espera sanção da governadora Rosinha
Concurso de poesias e redações sobre águas
Contaminação das águas em Petrópolis
CRENOTERAPIA
Cultura - Meu nome é Piabanha
Definições do II Seminário Água é vida
Educação Ambiental
Entrevista com Aldo Rebouças
Empresa de Petrópolis investe na preservação dos recursos hídricos
Entrevista com o Prof. Werner Bidlingmaier
I Seminário Água é Vida - Considerações
II Seminário Água é Vida
II Seminário Água é Vida debateu a preservação dos mananciais de Petrópolis
II Seminário Água é Vida foi um sucesso!
II Seminário Água é Vida ocorreu no LNCC
II Seminário Água é Vida teve apoio da APEA
III Seminário Água é Vida
Lions Itaipava promoverá o III Seminário Água é Vida
Livro - Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis
LIVRO - Empresas Aumentam Lucros e Produtividade pela Eco-Eficiência
Livro - O Manifesto da Água
Ministério Público - A voz da água
Moradores do Bairro da Glória não usam água potável
Natação
2003 - O Ano Internacional da Água Doce
O Aqüífero Guarani
O Paraíso
Petrópolis vive um verão em alerta
Petrópolis poderá implantar a Agenda 21 Local
Piabanha, Peixe ou Rio?
Poluição Industrial
Programação do III Seminário Água é Vida
Residências precisam fazer a ligação do esgoto
Retomado projeto para salvar Represa Hidrelétrica de Areal
Saneamento e saúde em debate no seminário Água é Vida
Vida, criança e água - Vamos cuidar?
Você sabia?
Water is Life